Professora Jaqueline Conceição da Silva é homengeada pela Turma da Mônica e pela ONU MUlheres pelo seu trabalho a frente do Coletivo Di Jeje!

 

"E por que decidiu trabalhar com educação? “Porque a educação me salvou. A periferia de São Paulo nos anos 90 foi um período marcado por muita violência. Ler livros, imaginar um outro mundo, desejar que tudo pudesse ser diferente, me fez perceber que se eu não estudasse eu não cresceria e nada seria diferente. Quando adulta e decidi qual caminho profissional seguir, tinha absoluta certeza de que a educação liberta, emancipa; que a educação possibilita a construção de um mundo novo, um outro lugar onde a gente possa ser livre e feliz. Liberdade é o sonho mais caro que nossos ancestrais africanos plantaram nesta terra chamada Brasil. E a educação é um passaporte para a liberdade. Acredito nisso e vivo para isso e por isso”, conta."

CONHEÇA AS PLATAFORMAS DE E-LEARNING DO COLETIVO DI JEJE

Plataforma conteúdos e cursos voltados para a formação de estudantes, professores e interessados sobre o conhecimento e a cultura indígenas. A Intié, palavra do tronco linguístico tupi guarani, significa feminino/mulher, é uma ação de fomento a práticas educativas pós coloniais e busca incidir na lei federal 11.645 garantindo a efetivação do ensino da história e cultura afro-brasileira e indígena. A INTIÉ oferece seis cursos com certificação de 90 horas e conteúdos audiovisuais.

NKANDA é uma plataforma de e-learning (ensino virtual), que contempla 86 cursos om certificação válida, com discussões sobre feminismo negro e pensamento racial. Com uma metodologia adaptativa à rotina das e dos participantes, os cursos on line permitem que os alunos e alunas possam adequar as atividades virtuais a s suas rotinas e desejos, estabelecendo a partir de suas necessidades um plano de ensino dentro da NKANDA (NKANDA é uma palavra Bantu que significa mapa).

É uma plataforma desenvolvida para atender as expectativas de empresas e instituições frente ao desafio de criar uma cultura institucional que contemple as diversidades e valorize as potencialidades de seus colaboradores, criando pontes para a superação do racismo e práticas sexistas presentes na cultura brasileira. Voltado para empresas e instituições, é um programa de educação corporativa com rodas de mediação sobre racismo e gênero.

KUKALA é uma palavra Bantu que se refere a infância e a formação das crianças através do ensinamento dos mais velhos, mas tendo a leveza e a felicidade infantil como mediadora do aprender e do ensinar. Na cultura ocidental, seria algo como os pilares da Educação da UNESCO: aprender a aprender, aprender a conhecer, aprender a fazer e aprender a ser. É uma plataforma de cursos on line com 8 cursos com certificação de 90 horas cada, válidos para progressão funcional de professores da educação básica, elaborados pelo grupo de pesquisadoras do Coletivo Di Jeje. Os cursos são elaborados a partir da curadoria de conteúdo dentro dos 8 temas que são abordados.

 

Ionene é a plataforma on line de estudos psicanáliticos sobre raça e gênero criado pelo Coletivo Di Jeje sob supervisão da Professora Jaque Conceição. Oferece 6 cursos de formação sobre temas ligados aos estudos psicanalíticos, com certificação válida e destinados a profissionais, pesquisadores e interessades em estudos piscanalíticos. 

CASA PRETA, espaço presencial sediado em Florianópolis/SC com a oferta de cursos e formações através de rodas de feminismo negro, sobre feminismo negro, psicánalise, formação de professores/as e pensamento racial. Durante a pandemia do COVID-19, as atividades têm sido oferecidas através de encontros on li-ne dentro de uma programação mensal desenvolvida pela equipe de docentes e pesquisadores do Coletivo Di Jeje. 

DOE PARA A FACULDADE CASA PRETA

Doe R$15,00

 

Doe R$15,00 e apoie o projeto de construção da Faculdade Casa Preta focada na formação teórica e técnica de profissionais interessados em discutir questões étnicos raciais e de gênero no Brasil com currículo afro referenciado.


Doe R$ 42,00

Doe R$42,00 e apoie o projeto de construção da Faculdade Casa Preta focada na formação teórica e técnica de profissionais interessados em discutir questões étnicos raciais e de gênero no Brasil com currículo afro referenciado.


Doe R$ 96,00

Doe R$96,00 e apoie o projeto de construção da Faculdade Casa Preta focada na formação teórica e técnica de profissionais interessados em discutir questões étnicos raciais e de gênero no Brasil com currículo afro referenciado.


Doe 60 reais para o Curso online Violência de Gênero

Apoie o trabalho do Coletivo Di Jeje, doando bolsas de estudo para o curso on line para professores/as Violência de Gênero. 


Doe bolsas de estudo

Em 2021 vamos apoiar 1000 mulheres negras no Programa de Formação Casa Preta, e você pode fazer parte dessa rede de emancipação através da educação antirracista e feminista: doe bolsa de estudos e garanta a ampliação e o acesso de mulheres negras a sua história e ao conhecimento produzido por outras mulheres negras.


CONHEÇA NOSSO GRUPO DE PESQUISA

Grupo de Estudo NKANDA - sobre Feminismo Negro
Grupo de Estudo CAsa Preta - sobre estudos afro brasileiros
Grupo de Estudo IONENE - sobre psicanálise, racialidade e gênero

Sobre Nós


Fundado no dia 10 de Fevereiro de 2014 pela Professora Jaque Conceição, hoje o Coletivo Di Jeje é um Instituto de Pesquisa e Formação sobre Questão Étnico Racial e de Gênero. Possuiu 6 plataformas de ensino e aprendizagem na modalidade virtual, sobre feminismo negro, pensamento racial, psicnálise, formação de professores/as e diversidade étnico racial para empresas e organizações. Com uma equipe de docentes e pesquisadores/as mestre e doutores com ampla experiência e sólida formação na questão étnico racial e de gênero no Brasil e no mundo. 

Jaqueline Conceição da Silva: Função - Diretora Executiva/ Doutoranda em antropologia social pela UFSC, é mestre em Educação: História, Política, Sociedade pela PUC-SP, psicanalista e fundadora do Instituto Ionene de Estudos sobre psicanálise, raça e gênero. Fundadora e Diretora Executiva do Coletivo Di Jejê, pesquisa sobre o feminismo negro no Brasil, a partir do pensamento de Angela Davis e Lélia Gonzalez. Tem experiência na área de educação, com ênfase em educação em periferias urbanas; e experiência com políticas públicas, gestão de projetos sociais, debates e pesquisas sobre racismo e formação na perspectiva da teoria crítica da sociedade e também na formação continuada de professores e educadores sociais.

Maisa dos Anjos Castro: Função - Diretora das Plataformas de E-Learning/ Coordenadora do programa de formação a distância do Di Jeje e das plataformas NKANDA, KUKALA e INTIÉ. Cientista Social pela Universidade Federal de Viçosa. Pesquisa e tem trabalhos publicados na área da sociologia das relações raciais e questões de gênero. Possui experiência com formação de professores e alunos na área da educação, sociologia e antropologia.

Thiago Santana : Função - Diretor Casa Preta/ Pesquisador do Programa de Pós Graduação em Antropologia Social/UFSC e Advogado da Vara de Família, coordenador da Casa Preta e pesquisador sobre masculinidades negras e família quilombola.

COLETIVO DI JEJE NAS REDES

COLETIVO DI JEJE ENTREVISTAS

Jaqueline Conceição, criadora de instituto de pesquisa de raça e gênero, dá aula sobre antirracismo.

Criada por consultora da ONU, plataforma de ensino oferece educação antirracista e feminista que val

Educação antirracista: como colocar em prática na sua escola?

Coletivo Di Jeje tem programação especial sobre intelectuais e líderes negros

'Olho por olho, dente por dente': conheça a NFAC, milícia negra que está sacudindo os EUA

No Dia do Professor, Turma da Mônica homenageia educadoras que marcaram a História

DRAMAS DA TV ABREM ESPAÇO PARA DEBATE SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

"Mídia vende ideia que ser negro feliz é ser rico e famoso"

Por que precisamos falar sobre mulheres negras?

Doutoranda em Antropologia Social, professora Jaqueline Conceição desenvolve ações que abordam a cul

Brasil é um país feminino e negro, mas não se reconhece assim, diz antropóloga

Quando vozes negras se levantam, o mundo se estremece!

Nossa Missão

Produzir conhecimento que emancipa, compartilhar conhecimento que liberta!

Nossa Visão

Propiciar um espaço de escuta, acolhida e fortalecimento das mulheres, sobretudo das mulheres negras privilégiando suas narrativas e experiências.

Nossos Valores

Afeto, escuta, comprometimento e acolhida de saberes, perspectivas e vivências das mulheres, sobretudo as mulheres negras.

Nosso Atendimento

E-mail: coletivodijeje@gmail.com

WhatsApp


Em caso de sugestões, dúvidas ou para maiores informações sobre os cursos, favor preencher os dados abaixo. Tão logo recebida a mensagem, entraremos em contato. Desde já, agradecemos a sua participação.

Coletivo Di Jeje

(48) 3365-4746

Se inscreva e receba as novidades, descontos e muito mais!